Lomachenko provoca ‘no más’ de Rigondeaux

By | 10/12/2017

Lomachenko (e) foi muito superior a Rigondeaux para reter seu título mundial (Divulgação)

A luta mais aguardada do fim desta temporada foi uma decepção mesmo reunindo dois bicampeões olímpicos e atletas qualificados entre os Top 10 indiferente da categoria de peso. Ainda que longe do que os aficionados esperavam, o ucraniano Vasiliy Lomachenko, 29, foi superior ao cubano Guillermo Rigondeaux, 37, até a interrupção precipitada ao fim da sexta rodada, mantendo seu cinto OMB superpena (58,9k). O caribenho alegou lesão na mão esquerda e indicou ao árbitro Steve Willis que não poderia mais continuar no embate encerrado nesta madrugada no lotado Madison Square Garden Theater de New York (EUA).

A expressão histórica “No más”, marcada pela desistência de Roberto “Manos de Piedra” Durán diante de Sugar Ray Leonard, foi percebível na leitura labial de Lomachenko (10-1-0, 8 KOs) ao receber a notícia de que Rigondeaux (17-1-0, 11 KOs e 1sd) não prosseguiria na confronto. Até o momento da paralisação, o ucraniano dominava amplamente a contagem em 60-53; 59-54 e 59-54.

O nível técnico foi abaixo do que os dois boxeadores podiam apresentar. Lomachenko buscou muito mais o combate, atacou mais, foi mais eficiente na defesa e na movimentação de pernas. Ainda assim foi capaz de acertar apenas 55 golpes das 339 tentativas (16,2%), ao passo que Rigondeaux foi ineficaz com irrisórios 15 disparos certos em 178 (8,4%) ao longo de seis jornadas. Muito pouco para a qualidade esperada.

Novos desafios

“Não foi uma grande vitória para mim. Foi apenas uma vitória. Eu me ajustei ao seu estilo, ao seus golpes baixos. Ele é um grande lutador, mas eu tinha as habilidades para ganhar”, comentou Lomachenko que, muito antes da luta, havia dito que seu triunfo poderia ser amenizado por ser mais pesado e mais novo que o rival. Este foi a quarta luta consecutiva de Lomachenko que obrigou o oponente a desistir no córner antes de completar todas as rodadas. Antes do caribenho foram Miguel Marriaga, Jasos Sosa e Nicholas Walters. Para 2018 é possível que ao atleta do Leste Europeu para outros desafios e suba à divisão leve (61,2k).

Sem deixar que o ferimento na mão esquerda justificasse sua derrota, Rigondeaux reconheceu que o ucraniano é um lutador muito técnico, muito eficiente, muito explosivo. “Lomachenko é excelente. O peso não foi um fator, mas eu sofri lesão”, destaca o cubano que, com a derrota, ficou também sem o título AMB supergalo (55,3k). De estilo que não agrada ao público tampouco os promotores e com idade já avançada, Rigondeaux terá de se reinventar para subir mais alguns degraus nos ringues.

2 thoughts on “Lomachenko provoca ‘no más’ de Rigondeaux

  1. Titusz

    ao final da luta, durante entrevista com rede tv americana, o ucraniano cogitou brincando trocar o apelido de hi-tech para “no más chenko”, considerando que diversos adversários já abandonaram a luta no intervalo dos assaltos.
    um abraço. ps. gostaria de ressaltar que o sítio voltou com a qualidade de sempre, muito bom, sempre cheio de informações atualizadas no mundo do boxe. muito fidedigno.

    Reply
    1. ligadeboxev2 Post author

      Infelizmente pouca gente observou a cena em que Lomachenko disse claramente “no más” assim que recebeu a notícia que o Rigondeaux não voltaria para o 7º round. Fi por isso que ele expressou a mudança de sobrenome para “No Mas Chenko”. Gostaria de conseguir esse trecho do vídeo

      Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *